14/08/2011

refrão

Sempre tive fascinacao por homens que sobem em palcos com instrumentos (nunca fui de palco nem de platéia). Por muito tempo o "critério" era so me interessar por guitarristas e deixei quase todos me pisarem como se eu fosse o ua-ua. As coisas mudaram mas a admiracao perdura; nao é preciso ler Freud para entender que estabelecemos "critérios" a partir daquilo que somos (ou gostariamos) de ser. Nesse sabado assisti uma banda de rock em um bar muito cool: 4 integrantes, o baixista de sweet sixteen tocava e cantava confiante ao mesmo tempo shy (eu queria ter um filho como ele). A banda foi instalada no balcao, cervejas circulavam entre pés e pedaleiras... descobrimos depois da segunda metade do show que eles eram irmaos, a mae e o pai estavam la com os olhos cheios de prestigio. Pensei como deve ser gastar o decimo terceiro contruindo um estudio dentro de casa, comprar/manter instrumentos, cordas, varias extensoes pelos corredores, mae cade a palheta que eu deixei aqui? o inicio de tudo, os cansativos acordes de come as you are até um super riff do Hendrix, as blusas de rock, os all stars surrados, meias brancas e pretas.
Os pais projetam sonhos nos filhos, as vezes isso é cruel, as vezes nao; alguns sabiamente tentam nao cometer os mesmos erros que os pais, outros cometem por tradicao ou displicencia? Quando vi o menino do baixo projetei nele o meu desejo de ser mae de um menino que gosta de musica e tira notas ruins (como eram as minhas), nao precisa ter problema de disciplina, senao vai apanhar, pode ser distraido, pode ter todos os meus defeitos, eu vou amar. Enfim, quem é Edipo diante da eternidade? E as projecoes dos pais e baquetas e palhetas?

11/08/2011

tentei dar a mão


mas só pude dar adeus
in nomine patris
em nome do azar
todos os bons e péssimos instantes
que escorrem escor
regam e quebram
como um copo
com pedras de gelo;
gelos que não derretem.

18/06/2011



Flauta Transversal: Suéllen Campos
Direção e Roteiro: Paula Assis
Assistente de Direção: Daniel Lemos
Assistente de Produção: Rafael Rosa

05/06/2011

The Owl

Fie! The handsome owl’s
Incessant speech, sick of soul
Stifles thought, prevents prayer
For every hour stars appear.
All last night I heard her weep
A sore lament to banish sleep.
A roost of bats her shelter
From rain and snow. I shudder
Each night, to hear her charm –
A chink of pennies – meaning harm.
Chieftains my eyelids: to obey
And close them, defeats me until day.
I lie awake, with fluttering heart
And wait for her to screech or hoot ,
Laugh or cry. My heart is wrung.
A pittance from false poet’s tongue.

Wretched zeal till break of day
Bids her groan till dawn grows grey.
I writhe tormented, wretched song –
‘Hw-ddy-hw’ – the whole night long.
She winds her horn to harry, haunt
And taunt the hounds of the Wild Hunt .
Dirty, shitten, with raucous throat,
Sharp as shards her baleful shout,
Berry-bellied, broad of brow,
Mouse devourer, ogling, brown,
Scheming, slatternly, dun and dull,
A shrivelled shriek from a domed skull
Throughout ten forests spilling fright,
Roebuck’s fetter, voice of night.
To ape a man’s, her flattened face,
Fiend of fowls, her form a farce .
No unclean bird would venture nigh
If once it heard her harping cry.

Philomel speaks less by day
Than she, who gossips night away.
When daylight comes, warmth to follow,
She sticks her head into a hollow.
The bird of Gwyn ap Nudd, her shriek
Bids hounds of Annwn not to shirk.
Lunatic owl! To robbers sing!
A curse upon your tongue and wing!

This song and spell I make, to scare
The owl who lurks within her lair.
Though frost is falling, I conspire
To fill each ivied hole with fire.


_________________________

paraphrased by Giles Watson.


21/04/2011

Cinematic


O menestrel que roda meus sonhos é esquizofrênico e meio cego: a esquizofrenia é de outras vidas, a miopia é fator determinante (no processo de afetação doei esse dom pra quem decupasse minhas experiências oníricas). É adicto por Ritalina 10mg e curte tomar strawberry tea em xícaras de porcelana japonesa ao longo da sessão full script. tem problemas no sistema urinário, usa chapéu para preservar seu olhar opaco (diante do mundo), fuma cachimbos, controla a intensidade da aflição no plano detalhe. seus dedos seguram uma lanterna para os possíveis blecautes no circuito de uma noite tipicamente proustiana. tem Bergman como mentor. sua excitação consiste em espelhar o enredo nas linguagens corporais; calafrios, chutes, tosse, tudo que afeta o corpo, desde voar até tropeçar em metáforas cotidianas banais (escadas). Ele tem apego à trilhas emotivas, embora se envolva com o sonoro (reverbero de suas insuficiências visuais) desconhece o conceito de alteridade. é piegas no fechamento, nunca abandona o fade out.


18/04/2011

Patti Smith

têm me inspirado nos últimos dias. Alguns livros chegam em nossas mãos como milagres que caem do céu. Comecei a ler Só Garotos no café do aeroporto, estava adiantada 2 horas, pedi um capuccino duplo e sentei ao lado de uma mesa com um executivo meia boca que tomava choop enquanto esperava a hora do check in.
A tempos passei a ligar menos para o visual, comecei a vestir humor, ainda assim tenho minhas roupas prediletas (que sabem o dia certo de sair do armário). Não costumo usar maquilagem de dia, só filtro. os óculos disfarçam as olheiras, o oculista proibiu qualquer mack-up devido a uma hipersensibilidade na vista, minhas bochechas são naturalmente rosadas e ainda não tenho rugas nem manchas para esconder.
Passei do Prefácio para Filhos da Segunda Feira e fui lendo... virava as páginas como se engolisse o choro de quem é tocado na alma. Por um momento abracei o livro e resgatei o meu amor pela textura do papel e toda aquela sintonia maluca junto do burburinho de aviões que decolavam dentro de mim.
No aeroporto as pessoas se comportam muitíssimo bem, aparentam estar em dia com as contas e com os afetos. Um dos pseudos executivos que está na mesa ao lado não disfarçou para o verde da minha tatuagem (assim como crianças de 6 anos apontam com os olhos grandes).
Patti entenderia meu deslocamento beatnik no aeroporto da pampulha. Ninguém consegue entrar na sala de embarque sem antes analisar o visual excêntrico acompanhado de uma pena de pavão no braço branco da menina que lê Só Garotos.



26/03/2011

suspiro deliberada

entre ruas entre nós

(há um parêntese)

no cais das tardes tristes.

19/02/2011

prodígio





O mundo era cafona como las vegas. Os casais sentavam nos restaurantes e faziam tipos que repetem eu te amo como pedem desculpas por corromper os direitos do homem. Tudo era patético, a cor dos lençóis, as comidas na geladeira,as fotos de turistas da classe média alta, bolsas de couro italiano, maquilagem victoria's secret, blusa gola polo, cabelos sem vestígios do tempo, botox, o marido que senta ao lado da filha (ignorando inutilmente o biotipo atual da esposa), a mãe que controla o pau do filho ao invés de simplesmente se preocupar com a alimentação, a filha que pede ao pai uma plástica de natal, os avós que ligam bêbados diretamente do casino, os tios que pedem grana emprestada, o genro que toma MD, a nora que oculta a gravidez, a amante que, enquanto tudo isso acontece em las vegas, atinge voluptuosamente o limite do quarto cartão de crédito do marido da amiga de infância que emagreceu 4kg para a viajem aos estados unidos com a família.

20/01/2011

minúsculas vezes negrito
o lado afetivo da
língua

maiúscula vontade de ser a
primeira
ou a última
letra do título

trema tanta vontade
entre mim entre áspas

como terminar a pauta
derramando
fora de paula?

23/11/2010

these words elope it's nothing like your poem

No meio da sessão de frios procuro camarão graúdo para o strogonoff, como cheira mal essa parte de frios, olhei pra cesta no braço e conferi se faltava mais alguma coisa além dos ingredientes principais; tava tudo lá além disso amaciante, biscoito recheado e coca light, tô esquecendo alguma coisa? sempre perco a listinha e que frio faz aqui, ah! achei o camarão catei com vontade e ao virar a embalagem para conferir a validade uma voz diz meu nome no diminutivo: olhos sobem sobrancelha assusta, oi ei, risos e aí, tudo bem? sorrisos amarelados como a lasanha da sadia, olhei pra prateleira de leite lá do outro lado e você elucida “olha! você ainda come passatempo?!” “É” você gesticula esfregando uma aliança de compromisso na minha cara, porra! E a validade do camarão? encosta no meu braço e nota que estou arrepiada e esquece da (nossa) sessão de frios, te corto como (faca) eu já ia esquecendo do creme de leite, então tá tchau então, outro sorrizinho meia boca. As cores do supermercado nunca me fizeram tão mal, já fui de chorar ao descascar cebola mas encontrar ex no supermercado é mais impessoal que ganhar porta-retrato de presente de aniversário.

24/09/2010

sopa de letrinhas

(Paula A & Rafael R)

um amontoado de palavras:
dormir de conchinha, esquecer de tudo, lençóis brancos, sonhar junto e sonhar um dentro do outro. tá com ciúmes, desejo, carícias, tô com frio, discussões, vem aqui, carne e espírito, baseado, kama sutra, sussurros, palavrinhas e palavrão. Diálogo, escândalo, Cazuza e poesia, como vc está cheiroso, hormônios, contato e masturbação, dormi pensando em, cérebro, bunda, falta de ar e disritimia. Beijos de novela,boa noite, cinema, motel e filme pornô. eu tenho razão, insanidade, lágrimas e boleros tristes. Falta, por que vc faz isso comigo? vazio, onde vc estava? falta de explicação, café da manhã, um cozinha o outro lava, trepar na pia da cozinha, na pia do banheiro, beber no mesmo copo, dividir guimbas, massagem, compartilhar toalha e escova de dente, planejar viajem, a nossa música favorita, fala-se de casamento ao invés de dizer que as coisas podiam durar para sempre, o quê que vc tá pensando? eu te amo, tô confuso(a), a comida que vc mais gosta, tudo na mesma comanda, chega pra lá, olha essa foto nossa, eu gosto quando vc usa isso,quando fala isso, eu odeio quando vc se banca de esperto, por que vc não atendeu? sabe aquele dia? qual a senha do seu email? você não confia em mim? Você disse que ia, guarda a minha chave, ai que saco, me dá um pedacinho do seu, é surpresa, ah não, vc está cansado de saber disso, segredo,número e pronome eu e você(dois pontos) nós dois.


*Rafael R http://simpazzz.blogspot.com/
*