14/08/2011

refrão

Sempre tive fascinacao por homens que sobem em palcos com instrumentos (nunca fui de palco nem de platéia). Por muito tempo o "critério" era so me interessar por guitarristas e deixei quase todos me pisarem como se eu fosse o ua-ua. As coisas mudaram mas a admiracao perdura; nao é preciso ler Freud para entender que estabelecemos "critérios" a partir daquilo que somos (ou gostariamos) de ser. Nesse sabado assisti uma banda de rock em um bar muito cool: 4 integrantes, o baixista de sweet sixteen tocava e cantava confiante ao mesmo tempo shy (eu queria ter um filho como ele). A banda foi instalada no balcao, cervejas circulavam entre pés e pedaleiras... descobrimos depois da segunda metade do show que eles eram irmaos, a mae e o pai estavam la com os olhos cheios de prestigio. Pensei como deve ser gastar o decimo terceiro contruindo um estudio dentro de casa, comprar/manter instrumentos, cordas, varias extensoes pelos corredores, mae cade a palheta que eu deixei aqui? o inicio de tudo, os cansativos acordes de come as you are até um super riff do Hendrix, as blusas de rock, os all stars surrados, meias brancas e pretas.
Os pais projetam sonhos nos filhos, as vezes isso é cruel, as vezes nao; alguns sabiamente tentam nao cometer os mesmos erros que os pais, outros cometem por tradicao ou displicencia? Quando vi o menino do baixo projetei nele o meu desejo de ser mae de um menino que gosta de musica e tira notas ruins (como eram as minhas), nao precisa ter problema de disciplina, senao vai apanhar, pode ser distraido, pode ter todos os meus defeitos, eu vou amar. Enfim, quem é Edipo diante da eternidade? E as projecoes dos pais e baquetas e palhetas?

11/08/2011

tentei dar a mão


mas só pude dar adeus
in nomine patris
em nome do azar
todos os bons e péssimos instantes
que escorrem escor
regam e quebram
como um copo
com pedras de gelo;
gelos que não derretem.