07/08/2010

O destinatário não precisa ser chamado pelo nome,


Decidi retirar as pedras que tampavam a ferida, como é vermelho o inacabado. prossigo, viajei olhando o céu as árvores... e o vento soprava uma nostalgia descarada, nuvens antigas. Você, que sonha e acorda triste, prospera intensidade mas se contenta com mixarias, palavras ocas, corpos vazios, almas perdidas. digo que as pedras que carrego no peito são as mesmas que pesam na tua consciência: Sim, somos fortes e covardes, desviamos o curso de um rio que (ainda) não secou; A fonte dos dissimulados. Deito a cabeça no travesseiro como se no seu colo pudesse dormir em paz. Mas não há paz. Atravesso ruas e assuntos, imagino diálogos, ah quero te contar uma coisa, quero morrer sem culpa, entenda bem, não que eu queira morrer, a vida ainda reserva surpresas nos livros,lugares e pessoas que terão de participar dessa divina comédia. Quero viajar, quero emprego e décimo terceiro, filhos, quero morar numa casa com jardim, nesse jardim há um ipê branco que protege a mesa do nosso café da manhã. Talvez eu esteja sozinha com o café, as vezes imagino duas crianças dividindo o último pedaço do bolo. Cenário bucólico e delicado tenho o direito de abusar das fantasias. Como será o café das crianças daqui a 15 anos? Não quero pensar que eles vão tomar café na mesa, debaixo do ipê, jogando “videogame portátil”. Exorcizei terços do meu conto de fadas. Odeio tentar deduzir o futuro, tenho medo (e esperança) de que seja muito diferente ou previsível. Quero me surpreender, eu espero isso da vida. Espero um encontro de contra-tempos, espero dentro de um quarto claro, te quero por um dia como se te perdesse e nada mais. Quero fundir as partes de um mesmo átomo. O céu os lençóis macios, estou com sede e você com preguiça de me servir. Vai lá, abre a geladeira, abre o coração e derrete esse resto que nos resta. Você quer? Se fosse antes,seria você, mas agora eu quero água.


Beijos, beijos, beijos entre vírgulas sorrio de alegria e aflição,


você lembra da minha letra, dispenso a assinatura

28/06/2010

luzes vermelhas

As pernas se encontram
em contra mão
e mãos
a respiração
entra e sai
na mesma rua
na mesma nuca
os cabelos dançam
conforme os corpos
que giram
até sentir
o céu
é esquerdo o movimento
é direito o sentimento
amor:combustível que acelera

08/06/2010

Pósfácio

a sinceridade descreve
um parágrafo
e insinua
a transparência do discurso
pálido
como as páginas que se abrem
para mim;
porta
que se
abre com o vento.

06/06/2010

25/05/2010

conversas de mulheres

Ela não parou de olhar!
Vênus em quadratura com mercúrio.
Ganhei uma cortesia do melhor motel de bh!
Me passa o telefone da sua depiladora?
Você vai?
Só fala lorota,e todo mundo acredita.
Você viu quem tá namorando?
Preciso de uma nutricionista.
Aquele franguinho!
Mas ela é uma loira tapada...
Ele me paga!
Que cabelo é esse?
Gosta de apanhar que eu sei.
Me liga mais tarde.
Vive dando crise de ciúme.
E você disse o quê?
Olha quem tá ali!
Tô atrasada.
Fala baixo!
O ego dele é maior que o pau.
Somos melhores amigas!
Fala sério!
Só fura olho...
Eu mexo no email dele.
Filha da puta!
Ruí todas as unhas.
Mente pro terapeuta;
Ele pediu tempo.
Salada,salmon e soda light.
Manda a merda!
Fulana é corna.
Comprei um sapato lindo!
Sundae de chocolate.
Ela morre de inveja.
Ele disse que me ama...
Conta outra

21/05/2010

Que culpa tenho eu se você acredita em tudo que lê? Quer dizer,em tudo que escrevo?

20/05/2010

Agarro o sol
e me queimo
gosto da chuva
que me molha
sinto o vento
em meu corpo
escorrego
entre copos de whisky
e boites lotadas
de almas cansadas
adoro um papo inteligente
fascino as pessoas que me conhecem
conservo
os amigos que acontecem
dos homens que tive
curti todos
alguns especialmente
ou alguém em especial
meu soriso franco
é o reflexo
do meu espírito aberto
a tudo que vier
minha beleza ajudou
mas foi minh'alma
que conquistou meu mundo
e me deixou viva
em cada pedaço de mim
que ficou nas pessoas que
conheci,gostei,amei.

(Ana Horta 1979)


02/05/2010

Vendando a Razão da Ferida

A mulher sente falta de um homem
para oprimi-la,castiga-la.
reminescências dos séculos passados.
somos independentes em quesitos
(intelectuais,economicos,sexuais...)
mas dependemos impreterivelmente do afeto.
justificamos com os hormonios
com tpm,com a insegurança
de ser julgada
pelo próximo(ou pelo anterior).
Não,eu não queria ser oprimida
eu queria ser protegida.
Não,não adianta sentir pena de mim.
auto pena é o cúmulo da apatia;
é ter resistência em sair da
merda.
Sim,nós,desumanos temos
MUITA resistência em abandonar
a areia movediça,
porque,realmente
é mais cômodo reclamar do que
estufar o peito e enfrentar
novas(e terríveis)batalhas que
possivelmente
vão nos ferir.
assumo uma derrota e logo me lanço em
outro confronto.
luto,destroço,invado,conquisto e enfim:
povôo.
há guerras que duram anos
outras duram semanas e
perdem o sentido.
resguardo.
porque lutar cansa.perder descansa.e vencer perde a graça.

15/04/2010

Serenata de Amor

Minhas últimas noites nao escrevem linhas.Nunca duvidei do poder do sofrimento,quer dizer,da ilusão no processo de criação de ideias... Meus melhores textos foram conseqüências de péssimas noites,grandes vazios,devaneios,etc... E de repente minha vida muda num domingo chuvoso de Páscoa com o sentido literal do nome do chocolate.
Certo,Vênus e quadratura com Marte,gentilezas,jantares,sogra,vinho,travesseiros, manhãs,cafés,cigarros,Vinicius de Morais. Nessa mesma semana eu fico de 9h as 21h dentro do laboratório de vídeo,gravando um comercial que deveria estar no ar dia 20 de abril.Fora isso o querido Banco do Brasil deu pau no meu bairro e fiquei 3 dias sem ''mobilidade''. Os caixas voltaram ao normal,mas minha senha foi bloqueada.
Sentei na grama da praca do Papa e fiquei esperando a cachorrinha do meu ... meu ainda nao sei se namorado.Descobrimos que usamos o mesmo perfume,temos afinidade por dança de salao, embora nao saibamos dançar,dançamos numa boite de cinquentoes e acordamos bêbados,ele vai pra aula de musica e eu vou fazer compras.
Alo,mae,nao,nao,nao estou em casa, to na casa do meu...depois a gente se fala.
Na ironia dos signos,na curiosidade ou na decepção.descobrimos oque realmente somos no contato com o outro. Eu nao lembrava como era pisar em pinguelas,na probabilidade de poder cair da ponte,num desses tombos eu chorei 4 horas seguidas por uma causa que,se estivesse sobria,choraria em 20 minutos. somos dramáticos no processo de identificação; ele um pouco mais.
eu sou humor ele é performance eu palavra ele voz eu caneta ele violão eu vodka ele cerveja eu acendo ele fuma ele dorme eu acordo ele impõe eu compreendo quando ele me irrita me abraça e diz que é brincadeira eu livro ele musica eu ligo ele nao atende
dai escrevo pra tentar preencher.

21/03/2010

Equinócio

Você acredita em horóscopo?
em amor a sétima vista?
em espíritos?
casamento?
novelas?
psicotrópicos?
jornal?
édipo?
natureza?
serotonina?
Jesus?
justiça?
masoquismo?
amizade?
causa e efeito?
mudanças?
Focault?
política?
homeopatia?
pensamento?
lucidez?
biografias?
sinceridade?
traumas?
LSD?
encarnação?
física?
padres?
catástrofes?
Albert Eisten?
mantras?
professores?
virgindade?
caridade?
John Malkovich?
obssessão?
final feliz?

porque é só curiosidade.

16/03/2010

Aurora




Alguns sempre acordam atrasados, ou, nunca acordam. Acordam com fome, há aqueles que acordam querendo vomitar. Outros acordam respirando fundo e espreguiçando,existem os que acendem um cigarro e depois amanhecem.Depois de acordar,todos eles vão vestir as suas máscaras para,dessa forma,ganhar a vida. Quem é você?

As mulheres se enchem de perfume e cremes, depois de muita análise, escolhem uma roupa que as deixe sensual, que dê valor as partes bonitas (mesmo não as tendo, penteiam os cabelos várias vezes, mas nunca é suficiente, pois sempre acham seus cabelos ruins. Sobem em saltos finos ou plataformas do tamanho de um degrau; passam maquilagem (o que as torna mais misteriosas, nunca sabemos como elas são naturalmente), se enchem de acessórios, brincos, relógios, pulseiras, anéis, colares, penduricalhos e mais penduricalhos; para completar a fantasia, só falta a voz delicada e um sorriso no rosto. Pronto! Apresentável.

Os homens em sua grande maioria acordam e imediatamente coçam o saco, e só levantam da cama quando sentem que a cara está em cima da fronha babada. Uns vão para o banho, outros usam o banheiro e não usam a descarga, lavam o rosto e escovam os dentes. Escolhem a primeira calça e blusa que vêem na frente e pegam a meia que já estava usada. Há aqueles que gastam neurônios para se engomar (uns gostam disso, e outros necessitam disso, seja para o trabalho, ou por vaidade). O fato é: de roupa limpa e passada, com a barba feita. Pronto! Apresentável.

Acordo me enroscando como uma serpente, com a cara amassada, boca seca, hálito matinal, cabelos bagunçados, um olho menor que o outro e com a voz rouca. As vezes acordo com blush natural,as vezes com olheiras (artificiais), as vezes com o nariz entupido. Essa sou eu sem máscaras. Você é aquilo que acorda, e a realidade é pior do que você imagina.

05/02/2010

Lituraterra

Meus amores são contos;
Tudo tão breve
Tudo tão rápido.

Terminam sem pé nem cabeça
Terminam sem causa
sem fala

Meus amores são crônicas;
Duram horas,parágrafos.
Que se perdem dos pontos finais.

Meu amor não dá romance
Nem epopéia.
Meu amor é metalinguístico.